‘As leis da termodinâmica’: uma abordagem legal e divertido que acaba saturando

‘As leis da termodinâmica’: uma abordagem legal e divertido que acaba saturando

muito Se fala sobre a saturação dos super-heróis durante os últimos anos e do desgaste da fórmula da Marvel, mas is...

muito Se fala sobre a saturação dos super-heróis durante os últimos anos e do desgaste da fórmula da Marvel, mas isso é algo perfeitamente aplicável a outros modelos de filmes que levam muito mais tempo a aparecer de forma contínua em nossos cinemas mais próximos. Consideremos, por exemplo, as comédias românticas e como Hollywood aproveitou tanto a sua vertente mais comercial, que é cada vez mais difícil chamar a nossa atenção.

Isso não significa que de vez em quando haja tentativas de se distinguir as linhas mestras deste subgênero e esta sexta-feira, 20 de abril chega uma delas às salas portuguesas. Intitulada ‘As leis da termodinâmica’ e é o novo filme de Mateus Gil, na qual demonstra demonstra uma perícia para prende o espectador durante seus primeiros minutos com uma proposta incomum que, infelizmente, se desgasta antes de chegar ao seu final.

Um começo diferente e com gancho

‘As leis da termodinâmica’: uma abordagem legal e divertido que acaba saturando

A idéia de aplicar a ciência à comédia romântica parecia o mais curioso sobre o papel e ‘As leis da termodinâmica’ demonstra que há material para um filme com gancho. Já durante os primeiros minutos vai expondo suas principais armas: saltos no espaço e no tempo -às vezes até meses, e em outras, simplesmente, voltando alguns segundos atrás-, aparições de cientistas de renome corroborar o que acontece e bom senso de humor.

Isso permite que ‘As leis da termodinâmica’ tenha um início dinâmico em que o mesmo propõe-se o uso da montagem paralela, dividindo a tela, dando um toque simpático o que não deixa de ser uma cena de ruptura apresentada de maneira comum. Esse efeito surpresa ajuda a que a nossa predisposição a entrar em tudo o que acontece seja maior, mesmo que de entrada nos possam colidir esses momentos memoráveis que estão fora da narrativa do filme e que parecem mais próprios de um documentário de divulgação científica.

no entanto, Gil consegue que isso contribua para uma camada extra para as vivências de Manel, interpretado de forma impecável por Vito Sanz. Já de por si surpreende a escolha de um ator de baixo percurso no grande ecrã, e o que alguns talvez se lembrem por ter dado vida ao melhor amigo de Javier Gutiérrez, no ‘Vergüenza’. Encaixa na perfeição em forma de ser de Manel, um doutorando obcecado com as leis da termodinâmica e que os aplica a tudo em sua vida, retirando-lhe assim o encanto do mistério.

‘As leis da termodinâmica’ vai do mais ao menos

‘As leis da termodinâmica’: uma abordagem legal e divertido que acaba saturando

Até certo ponto, o que permite destacar o filme durante os primeiros minutos é o que acaba por jogar contra a medida que avança o filme. Como era de se esperar, Gil repete em todos os momentos, por sua aposta estilística e ainda consegue nos dar momentos divertidos com tudo o mais avançado -penso, por exemplo, nas notas sobre a queda do ônibus-, mas o certo é que acaba se tornando um tanto redundante e vai cansando progressivamente ao espectador.

é Aí que ganha importância o fato de que se dá muito menos importância ao resto dos personagens em relação ao de Caio, algo compreensível no caso da marinha dos estados unidos romântica, dedicada a cerca corretos Chinês Darín e Vicky Luengo, mas que desluce um tanto outros casos como os de Ana Oliveira e Irene Escolar. As duas atrizes mostram que podiam ter contribuído um pouco mais e, simplesmente, não têm a ocasião de fazê-lo.

É verdade que ‘As leis da termodinâmica’ está apresentada de tal forma que tudo depende da descoberta de seu protagonista, até que ponto são ou não bem sucedidas suas teorias no caso do amor, e é aí onde o filme vai se tornando mais convencional. Desta forma, perde o charme, o que nos havia conquistado de entrada e até quase se poderia dizer até que está prolongando a agonia, tanto do personagem como da própria película. O pouco gosto e o quanto cansa.

https://www.youtube.com/watch?v=t1iTQXJ7AV8

Em suma, ‘As leis da termodinâmica’ vai de mais, a menos e o que começa por ser uma comédia romântica refrescante que te prende rapidamente, em seguida, vai desgastándose, até chegar ao ponto que talvez seja injusto dizer que se torna uma mais, mas sim que se sente como tal e isso acaba por se tornar em sua contra. Com tudo, continua a ser agradável, apesar de que podia ver muito divertida e ficar para passar o tempo.

Também recomendamos

'Os exilados românticos', a doce leveza do verão

'A Rainha de Portugal', diversão e nostalgia

é Assim que podemos aguentar até o final PUBG e no jantar frango


A notícia ‘As leis da termodinâmica’: uma abordagem legal e divertido que acaba saturando foi publicada originalmente em Espinof por Mikel Zorrilla.

‘As leis da termodinâmica’: uma abordagem legal e divertido que acaba saturando
Espinof

do Windows fãs Telefone preparem-se, há algo de grande infusão mais em R...

...

Se são fãs de futebol, pois é um servidor, você vai desfrutar de inúm...

Enquanto Sony tem sido seduzir novos clientes com algum temático PlaySt...

Bibliography ►
Phoneia.com (April 20, 2018). ‘As leis da termodinâmica’: uma abordagem legal e divertido que acaba saturando. Recovered from https://phoneia.com/pt/as-leis-da-termodinamica-uma-abordagem-legal-e-divertido-que-acaba-saturando/

About the author


This article was published by Phoneia, originally published in Português and titled "‘As leis da termodinâmica’: uma abordagem legal e divertido que acaba saturando", along with 18988 other articles. It is an honor for me to have you visit me and read my other writings.