O último episódio de ‘Twin Peaks’ é um marco da televisão projetado para aterrar e estourar cabeças

O último episódio de ‘Twin Peaks’ é um marco da televisão projetado para aterrar e estourar cabeças

Não há limites. David Lynch está provando que seu talento criativo não vai espartilhar as exigências de uma série, seus personagens, ou os tropos esperables da ficção televisiva que mudou a maneira de entender o formato há vinte e cinco anos. Há algumas semanas ecoaram da surpreendente entrada triunfal do diretor para esta nova década. Hoje, depois de oito horas de delírios e o surrealismo, você não mudou nada.

‘Twin Peaks’ continua a mesma capacidade de surpreender, capítulo a capítulo, de oferecer o oposto do que se espera e, acima de tudo, o que você espera um fã casual das duas primeiras temporadas. Quando começava a tomar forma um certo arco, certo conato de estrutura na história, o o diretor voltou a fazer: um episódio quase independente, um inciso, com apenas vinte linhas de diálogo, em branco e preto e, principalmente, localizado em uma dimensão abstrata, com a que tivemos um contato no terceiro episódio.

Como mudar o nome do seu Mac usando o X Terminal OS Mudar o nome da rede do seu computador é a...
Como saber se o bootloader do meu celular Android é desbloqueado ou não Um dos primeiros passos necessários para ...

O último episódio de ‘Twin Peaks’ é um marco da televisão projetado para aterrar e estourar cabeças

A série, até agora

A decisão do próprio Lynch, esta temporada é como uma única filme não é uma frase feita, o desenvolvimento sincopado desta primeira metade foi como a exposição de um tabuleiro de jogo extremamente complexo, em que as peças foram espalhados pelo chão do quarto. Ok que muito pouca trama tem lugar na aldeia que dá título a série é uma vantagem para não levar decepções inesperadas. Os personagens que davam essa calorosa sensação cotidiana estão espalhadas em aparições muito limitadas.

Todos menos o agente Dale Cooper. Lynch também parece esticar ao máximo a paciência dos espectadores com o estado em que ficou o personagem, depois de escapar da loja negra. O “Cooper bom” permanece em um estado de transe que gera incertezas constantes. Parece que quanto mais você deseja que saia do lapso, mais segurança de que não vai conseguir. No entanto, no meio de sua odisséia vimos linhas narrativas, ao redor como cabos soltos, que às vezes se tocam, mas que não parecem ter relação.

O último episódio de ‘Twin Peaks’ é um marco da televisão projetado para aterrar e estourar cabeças

A sensação é de ver um constante mudança de canal. Cada episódio parece soltar uma seqüência de informações adicionais e os personagens secundários e linhas paralelas não cessaram. Há certas certezas de que muitos pontos em comum do argumento têm relação, mas não pode por a mão no fogo por que esta fosse além de associações simbólicas, ou causalidades relacionadas. O importante é que ‘Twin Peaks’ tornou-se o campo de jogo de David Lynch, uma plataforma para expressar-se sem barreiras.

Um episódio que é o filme de terror do ano

Falar deste Lynch é falar de cinema libertino, absoluto. A concepção de televisão, a dosagem em capítulos não deve condicionar a classificação desta temporada como uma obra isolada, contida em si mesma e pensada como um todo. Este episódio oito confirma-o. O que tem de especial? Pois que nunca antes na televisão havia existido um capítulo-experiência, solto e desnorteador, como este. O mesmo Steven Soderbergh se pronunciou no twitter dizendo que

“se não se tem voado na cabeça, não tem cabeça”

If TWIN PEAKS didn't blow your mind ” tonight you don't have a mind.

— Bitchuation (@Bitchuation) 26 de junho de 2017

O episódio que abre a mente, começando pela acabar com a ressurreição do por de Cooper, por meio de um estranho ritual com uma espécie de espectros de vagabundos, com atuação de abalaram Nine Inch Nails como catalisador, e seguindo por uma viagem ao coração de uma bomba atômica que, de alguma forma, aciona a abertura de uma porta dimensional, facilitando a experiência mais lisérgica do trecho final de ‘2001: uma odisséia no espaço’ (2001: A Space Odyssey, 1968).

Parece que assistimos a a mitologia da série, o nascimento do mal, representado por Bob e, em seguida, observar como o gigante e essa espécie de loja branca criaram a encarnação do bem em Laura Palmer. Seja como for, a experiência é devastadora, desorientadora e fantástica, com ecos tanto a ‘Cabeça Borradora’ (Erasedhead, 1977) e ‘Mudholland Drive’ (2001) como a as raízes dos mitos Lovecraftianos. A catarse final tem lugar no último trecho, um punhado de cenas em cinqüenta gravados em preto e branco expressionista.

inseto com o corpo de estes pequenos animais, um casal jovem e a entidade assassina, que parece a criatura relatório do início da série com forma de homem, oferecem um espetáculo de terror sem destilar, acompanhado por um design de som perturbador e a repetição constante de duas misteriosas frases que terão desencadeado uma miríade de teorias e conexões. oEstá Lynch jogando com os espectadores? É uma desculpa para desenvolver suas peças de arte e ensaio ou tudo está ligado, como um quebra-cabeça cósmico? Independentemente disso, episódios como esse são momentos inesquecíveis da história da tv.

Também recomendamos

David Lynch confirma que não voltará a dirigir um filme

11 sequências de 'Twin Peaks' que confirmam que a série de David Lynch continua a ser único

Twin Peaks, nostalgia e liberdade


A notícia O último episódio de ‘Twin Peaks’ é um marco da televisão projetado para aterrar e estourar cabeças foi publicada originalmente em Espinof por Jorge Loser.

Espinof

Bibliography ►
Phoneia.com (June 26, 2017). O último episódio de ‘Twin Peaks’ é um marco da televisão projetado para aterrar e estourar cabeças. Recovered from https://phoneia.com/pt/o-ultimo-episodio-de-twin-peaks-e-um-marco-da-televisao-projetado-para-aterrar-e-estourar-cabecas/