‘The Good Place’, como um final genial ou uma provocação?

The Good Place


Cada vez que temos que ser mais seletivos com as séries em que damos uma oportunidade, já que existe uma tal quantidade de propostas que já a duras penas nos dá o tempo para ver aquelas que realmente consideramos imprescindíveis. Por isso, não me cabe dúvida de que muitos terão optado por prescindir de ver a prática totalidade de séries que provenham de uma network americana, já que sua necessidade de chegar ao máximo de público possível tende a limitar o que realmente podem oferecer.

No meu caso eu reconheço que costuma olhar com lupa qualquer série de uma network antes de dar-lhe uma oportunidade, pois também está o fato de suas temporadas mais longas, com uma marcada tendência para os episódios de enchimento. No entanto, com ‘The Good Place’, tive a sensação de que era uma aposta bastante ousada para gustarme e assim foi. De fato, ele tem jogado tudo com um arriscado final de temporada que desperta dúvidas sobre se foi ótimo ou uma provocação.

O notável caminho andado

[[atualização: {“text”:”A partir de aqui você vai encontrar spoilers da primeira temporada de ‘The Good Place'”}]]Thegoodplace


a Minha colega Adriana já nos falou em seu momento de seu dinheiro inicialização. No primeiro episódio, apresentava um universo bastante atraente, e se fazia de uma forma bastante simpática, ficando então a dúvida se não iam acabar se repetindo muito cedo. Por sorte, ‘The Good Place’ soube lidar com isso muito bem, ao ampliar o espectro de protagonistas além de Kristen Bell e Ted produção cinematográfica estadunidense.

Esse interesse pelo desenvolvimento de personagens –não nada especialmente profundo, mas sim mais do que o habitual nos primeiros episódios de uma série – permitiu que a história em si mesma respirase e que fosse evoluindo com calma, nem queimando quadros depressa demais nem caindo no erro de que simplesmente não fosse nada. O ritmo perfeito para ir desvendando voltas e ampliando o universo –especialmente memorável aparição de Adam Scott como o chefe do equivalente ao inferno-.

Imagem de The Good Place

Além disso, ‘The Good Place’ foi jugando muito bem a carta de rodadas surpresa, do próprio ponto de partida até o aparecimento da verdadeira Eleanor, sem esquecer a descoberta sobre Jianyu. O melhor de tudo é que tudo estava bem integrado, mantendo a lógica interna necessária para poder ser visto como uma sitcom ao uso, mas sabendo também conquistar os espectadores que necessitassem de algo mais para não se cansar.

não me esquecer também do grande acerto por parte da NBC de deixar a temporada em 13 episódios, já que uma proposta high concept como a que nos ocupa se tivesse visto especialmente danificada em caso de ter que chegar até os 22. De fato, a idéia de uma segunda temporada, também era difícil de conceber sem que isso viesse a acontecer, e é aí que Michael Schur, criador e showrunner de ‘The Good Place’ apostou tudo em uma carta com o seu arriesgadísimo rodada final.

‘The Good Place’, muito mais do que parecia

De certeza que mais de um, ficou com a mesma cara de idiotas que tinham Chidi, Tahani e Jianyu quando Eleanor ata cabos e descobre que na realidade era tudo um elaborado plano de Michael para fazê-los sofrer sem ter de recorrer aos meios de tortura mais comuns. A princípio poderia parecer uma loucura absoluta que mudar o rumo da série de graça, mas à medida que Eleanor explicou, o certo é que tudo se encaixava em seu lugar.

é Aí que reside parte de a genialidade do giro, já que até então havia sinais para pensar que algo estranho estava acontecendo, mas é muito fácil achacarlo os erros com Eleanor e Jianyu sem parar para pensar no que tanto Chidi como Tahani também tinham umas taras mais do que evidentes. No entanto, era uma comédia, então, que o mais simples era pensar a opção mais óbvia, e com o fato de ter jogado seus responsáveis para nos surpreender.

além disso, resta apenas valorizar o excelente trabalho de todo o seu negócio, tanto para manter essa dupla vertente da série, como para gerar a simpatia do espectador. Verdade que houve alguns detalhes que poderiam ser melhorados –tudo o que está relacionado com os sentimentos de Chidi-, mas são aspectos menores dentro de uma primeira temporada muito boa.

Cena Final Temporada de The Good Place

Agora só nos falta saber se ‘The Good Place’ saberá manter o nível ao colocar todas as cartas em cima da mesa, já que agora os espectadores estaremos muito mais atentos a possíveis surpresas, pois sem elas sim que parece razoável pensar que apareça a tão temida reiteração. Isso sim, antes NBC terá que renová-la e seu futuro ainda está no ar.

Em Vá Tv! | Kristen Bell brilha em ‘The Good Place’, que arranca simpática e com um universo promissor

Também recomendamos

Novas séries da NBC (2016/2017): Trailers de filme de comédia estrelado por Kristen Bell, 'Timeless' e mais

Kristen Bell brilha em 'The Good Place', que arranca simpática e com um universo promissor

o que podemos nós, os espanhóis, melhorar a segurança rodoviária em 2017?


A notícia ‘The Good Place’, como um final genial ou uma provocação? foi publicada originalmente em Vá Tele por Mikel Zorrilla .


Vá Tele

‘The Good Place’, como um final genial ou uma provocação?
Source: português  
January 22, 2017


Next Random post