Quentin Tarantino e Paul Thomas Anderson nos mergulham em ‘Era uma vez em Hollywood…’ com um podcast imprescindível para cinéfilos

Quentin Tarantino e Paul Thomas Anderson nos mergulham em 'Era uma vez em Hollywood...' com um podcast imprescindível para cinéfilos

Há muitos motivos para odiar internet —as chances de se sair de uma úlcera cada vez que você abrir o Twitter são cada vez mais altas—, mas, quando nos permite acessar conteúdo como o que vos trago abaixo, não podemos fazer mais do que hincar joelho e adorá-lo incondicionalmente. Porque nem todos os dias podemos ouvir dois titãs como Paul Thomas Anderson e Quentin Tarantino falando de tu a tu.

Cortesia do podcast ‘The Director’s Cut’, da Director’s Guild of America, podemos desfrutar de meia hora de entrevista, conduzida por Anderson, em que Quentin Tarantino fala sobre vários aspectos de ‘Era uma vez em Hollywood…’, deixando-nos alguma que outra pérola e dicas sobre o seu modo de conceber e abordar o longa-metragem. Ouro puro.

Com apenas a introdução da entrevista, Paul Thomas Anderson, que já vai para o quarto assistir a nona obra de Tarantino, consegue condensar praticamente toda a essência de ‘Era uma vez em Hollywood…’: “Uma das coisas que eu adoro este filme, é a alegria que entesoura. Pura alegria, e os seus filmes sempre têm a alegria mesmo de filmá-las e estão sempre cheias de ela, mas aqui há algo mais do que nunca havia feito antes”

Mas nem tudo são elogios e pancadinhas nas costas, e o casal de cineastas explorar o processo criativo do filme. Tarantino afirma que, depois de conceber a sua atípico dupla de protagonistas e de saber que iriam estar no ambiente de Sharon Tate, a primeira coisa sobre a história que teve claro foi o final. “O resto foi ir para trás para justificar o fim”.

Também esclarece que nunca teve a intenção de colocar a Cliff e Booth ao serviço de uma trama melodramática ao uso. Além disso, apenas queria vê-los no dia-a-dia de sua vida, algo possível graças ao “os personagens e o ambiente são fortes o suficiente para sustentar algo assim”. Cabe destacar que muitos dos críticos com ‘Era uma vez em Hollywood…’ concentram seus ataques, precisamente, nesta decisão de não optar por uma progressão dramática tradicional.

Para finalizar, depois de louvar a sequência do Rancho Spahn e a sua repartição, Tarantino aborda um dos temas mais controversos do filme: o seu tratamento da figura de Sharon Tate

“eu Tentei não converter a Sharon em um personagem de Quentin Tarantino. Não queria que Sharon fosse um personagem, eu queria que fosse a pessoa que foi. É apenas a minha interpretação da pessoa que estudei, e debruço-me definitivamente para o lado brilhante e luminoso, mas parece que assim era. Se há outros aspectos que sobre ela não os encontrei… era uma pessoa adorável e [o público] recebe uma idéia de qual era o seu espírito e a sua vida; de fato, se vê fazendo coisas que há pessoas em sua vida real, fazendo recados, dirigindo o carro… apenas coisas mundanas.”  

Se domináis o Inglês —Quentin fala igual o que leva o senhor Lobo de ‘Pulp Fiction’: “a toda a hóstia”—, eu recomendo fortemente que você dê o botão de play e deixe que esses dois gênios vos den a vossa ração de cinefilia diária condensada em meia hora

Também recomendamos

Tarantino vai competir em Cannes com 'Era uma vez em Hollywood', considerada como "o seu filme mais pessoal"

'Era uma vez em Hollywood': Quentin Tarantino recomenda os dez filmes que convém ver antes de seu novo filme

Tarantino confirma que já pensa em deixar o cinema depois de 'Era uma vez em Hollywood': "Eis chegado ao fim da estrada"


A notícia Quentin Tarantino e Paul Thomas Anderson nos mergulham em ‘Era uma vez em Hollywood…’ com um podcast imprescindível para os cinéfilos foi publicada originalmente em Espinof por Víctor López G. .


Espinof

Quentin Tarantino e Paul Thomas Anderson nos mergulham em ‘Era uma vez em Hollywood…’ com um podcast imprescindível para cinéfilos
Source: português  
September 3, 2019


Next Random post



x